Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como lidar com conflitos familiares nas férias

Categoria dos serviços dos psicólogos: demandas comuns em clínica de psicologia
Como lidar com conflitos familiares nas férias

É comum nos depararmos com pacientes que chegam a terapia com a queixa de conflitos familiares nas férias. Leia o texto e veja algumas dicas de como lidar com isso.

As férias são uma época muito esperada. Trabalhamos o ano todo e merecemos relaxar. Mas, às vezes, principalmente no final de ano, elas podem trazer alguns momentos de tensão. O quê fazer com conflitos familiares e curtir as merecidas férias? Siga as dicas dos psicólogos.

Férias e conflitos familiares

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Um ano se passou, de muito trabalho, estudos e outras responsabilidades, e os membros da família finalmente conseguiram um tempo para ficar juntos e compartilhar grandes momentos. Momentos estes que seriam perfeitos para estreitar laços, fortalecer vínculos etc.

Mas, o contrário também acontece. Estarem reunidos em um mesmo espaço de convivência pode fazer aflorar os conflitos familiares. E isso faz com que aquele momento agradável se transforme em um verdadeiro pesadelo nas férias.

Como gerenciar os conflitos familiares?

O papel do psicologo é ajudar, então confira algumas dicas práticas para lidar com esses tipos de situações em família.

O que fazer quando conflitos familiares entram cena?

Passo 1. Acalme-se

Em primeiro lugar, se uma discussão começar, espere para resolver no momento em que você ou seus familiares não estão nervosos. Respire fundo e faça uma pausa para liberar as tensões, sozinho ou com outra pessoa.

Passo 2. Não eleve o tom de voz

Valor Consulta Psicóloga Suzane






Não quero informar nome ou e-mail





Evite elevar o tom de voz ou gritar ofensa. Mantenha o tom de voz o mais comunicativo possível, mesmo que discorde do que está acontecendo.

Desta forma, você estará estimulando a comunicação assertiva, oferecendo outras perspectivas de visão e solução.

Passo 3. Espere a sua vez para falar

Sempre respeite a fala da outra pessoa. Ouça-a com atenção sem cortá-la. Todo consenso e diálogo é feito das duas partes, não só de uma.

Passo 4. Desculpe-se com todos

Peça desculpas se as demais pessoas da família se sentiram incomodados ou ofendidos. Tente normalizar a situação com a ideia do compartilhar e do aceitar as diferenças, pois, dentro de uma família é normal haver contradições.

Passo 5. Busque atividades em grupos

Escolha fazer atividades nos momentos de férias, de diferentes tipos para aproveitar as relações, como jogos, interações e bate-papo. Isso estimula o trabalho em equipe e reduz a chance de brigas.

Passo 6. Tire um tempo apenas para você

Os momentos de relaxamento e introspecção são muito importantes. Relaxar do cotidiano e do tédio diário deve ser feito nesse momento.

Caso contrário, as férias se tornarão apenas uma extensão do seu dia-a-dia. Evite saturar-se com o tempo disponível para o lazer.

Passo 7. Não abuse do álcool

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Desfrutar não significa cometer excessos com a bebida. Por estarmos felizes e relaxados, pode ocorrer de ingerirmos bebidas alcoólicas em excesso. E isso pode estimular brigas. Beba com moderação e sempre intercale copos de água.

Além destas dicas, o importante é que a família se junte e converse sobre planos de férias, para que se evite qualquer tipo de conflitos familiares. Para aproveitar bem as férias, é necessário que se faça e organize tudo de forma coletiva sempre ouvindo as opiniões de todos.

Gostou deste texto? Pode se interessar por esse também: Filhos LGBT: como lidar e dar o apoio emocional que precisa.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autora
Thaiana F. Brotto

CRP 106524/06

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.