Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como melhorar o relacionamento familiar

Como melhorar o relacionamento familiar

O relacionamento familiar é um aspecto básico das nossas vidas. Saiba como se comunicar uns com os outros de forma mais positiva.

Uma família é herdada e não se pode escolhê-la. Para muitos, o relacionamento familiar é um problema e fonte de conflitos, mas, para outros, trata-se de uma fonte de grande felicidade. Em qualquer caso, segundo os psicólogos e terapeutas familiares, não se pode negar que o relacionamento familiar nos afeta profundamente..

Como melhorar o relacionamento familiar

Antes de tudo, é muito importante que os familiares passem mais tempo juntos. A comunicação é a base para construir um relacionamento familiar saudável e também para fortalecer os laços afetivos entre todos.

Na verdade, o relacionamento familiar é um dos principais e mais importantes círculos sociais que uma pessoa tem desde sua infância até sua velhice. Portanto, é essencial cuidar bem do relacionamento familiar da forma como ele é: com seus problemas, acertos e erros. A família é algo que sempre a pessoa terá ao seu lado, mas que, às vezes, se negligencia.

Antes de citar as vantagens e por que se deve melhorar o relacionamento familiar, precisa-se considerar qual o tipo de vínculo que existe entre seus membros. Muitas vezes são fortes elos, capazes de suportar problemas e conflitos. Mas, por outro lado, existem laços são tão fracos que podem ser quebrados na menor dificuldade.

O papel do psicólogo é sempre ajudar o paciente (ou os pacientes) a melhorar seu bem-estar, seja por terapia individual ou por terapia de casal. Portanto, aqui vai algumas dicas de como melhorar o relacionamento familiar.

1. Tempo para a família

Valor Consulta Psicóloga Suzane






Não quero informar nome ou e-mail





É muito importante dedicar uma parte do seu tempo à sua família, seja para realizar atividades que estimulem a boa convivência, ou fomentar a interação comunicativa entre todos. E, além disso, dedicar um tempo para a família é alcançar um desenvolvimento emocional e cognitivo mais saudável, para si e demais membros.

Ter tempo para o relacionamento familiar não deve ser tratado como uma questão secundária, ela é muito importante. Ter uma boa relação com os irmãos e os pais fortalece não apenas os laços afetivos mas, também, melhora a autoestima dos membros da família.

2. Interações criativas

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Nada mais feliz do que assistir uma família unida realizando atividades e interagindo entre si de forma saudável. Porém, hoje em dia, não é tão difícil encontrar famílias que construíram um desapego com essas atividades.

O mundo do trabalho e das redes sociais terminou por ofertar a algumas famílias o desapego com os entes queridos. Ou seja, nenhum de seus membros se sente afetado pelo que o outro faz ou não está interessado.

No entanto, isso não significa que você não possa fazer nada para melhorar o relacionamento familiar. Apenas uma ideia criativa é suficiente para que um membro da família possa quebrar as correntes ou vínculos com os quais viveram a vida toda. Tudo pode ajudar. Talvez, no início, seja preciso muito esforço, mas com tenacidade é possível melhorar o relacionamento familiar.

3. Amenize o discurso

Nem sempre aquilo que pensamos é compartilhado por todos. Para manter um bom relacionamento familiar, questões como tabus, estilos de vida ou posições políticas devem ser tomadas com cuidado para não enfraquecer ainda mais os laços.

Por mais difícil que tenham sido conflitos anteriores, todos querem descansar e ter consigo algumas palavras de afeto. Talvez você nunca tenha dito a eles o quanto os ama. Não será esta a hora de encorajá-los a fazer isso e você também?

Você perceberá o efeito positivo que a família tem em sua vida. Poucas palavras, pequenos gestos, ajudam a fortalecer os laços e melhorar a autoestima daqueles que recebem essa amostra de altruísmo.

4. Empatia e solidariedade

Como Escolher meu Psicólogo?

Confira no nosso guia completo sobre psicólogo e psicoterapia. Nele você encontrará dicas do que considerar na escolha do seu psicólogo.

COMO ESCOLHER MEU PSICÓLOGO

Outro aspecto muito importante é a empatia e a solidariedade. Para promover o bom relacionamento familiar procure ajudar quem está precisando, a fim de conseguir mais tempo juntos dando um forte apoio que estimulará a participação coletiva. Ofereça ajuda sempre que possível.

Construa encontros para compartilhar momentos. Às vezes, apenas alguns minutos podem significar muito. Pode ser desde práticas esportivas, estudos ou mesmo sociais como restaurantes, clubes etc.

5. Celebre as vitórias

Celebrar conquistas e vitórias, sejam familiares ou individuais, é um meio de motivar uns aos outros. É sempre muito positivo felicitar e destacar as coisas boas que nos enchem de satisfação.

E claro, jamais esqueça dos aniversários e tenha uma lista antecipada deles. Se você é um daqueles que esquecem, tente usar uma agenda para notificá-lo.

6. Seja você mesmo

O mais importante: não tenha medo do que eles possam pensar, afinal eles são sua família e sabem que o amor não faz escolhas. Assim como você espera que os outros o aceite como você é, faça o mesmo por eles, isto é, não espere que eles mudem ou se comportem como você quer.

Lembre-se: pensar diferente não significa ser inimigo, os relacionamentos passam por diferentes momentos e evoluem, tente aproveitar o melhor de cada momento.

Na verdade, não podemos mudar os outros, mas podemos mudar a forma como interagimos com eles. Com a assertividade, a comunicação sempre será feita de forma apropriada e respeitosa, sem pisar nas falhas ou problemas dos outros.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana Brotto

CEO do consultório Psicologo Com.Br. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *