Sintomas de síndrome de ninho vazio

Categoria dos serviços dos psicólogos: depressao
Sintomas de síndrome de ninho vazio

A síndrome de ninho vazio causa sérios impactos na vida dos pais quando seus filhos saem de casa. Leia o texto e saiba mais.

Chamada de “síndrome de ninho vazio” pelos psicólogos, ela pode causar extrema solidão e sérios transtornos emocionais na vida dos pais. Saiba como ela é caracterizada, quais são seus sintomas e de que forma podemos tratá-la.

Conhecendo a síndrome de ninho vazio

O processo natural da vida é nascer, crescer, se desenvolver e deixar esta vida. Mas, muitos pais e mães sentem muita dificuldade em entender que este é um processo natural, como uma forma da própria vida. Saber como lidar com a saudade pode se tornar um verdadeiro sacrifício no momento em que os filhos decidem sair de casa.

Quando isso acontece, a síndrome do ninho vazio pode ser vista como uma profunda sensação de ausência e solidão. Em conjunto, sobrevém a sensação de tristeza e abatimento. Os filhos que vão se tornando adultos se sentem já independentes e começam a decidir seu futuro.

Está a procura de psicólogo em São Paulo para questões de depressão? Conheça os nossos psicólogos, veja o valor das consultas e agende sua consulta diretamente pelo nosso site.

Nem sempre essa decisão é encarada de forma simples e tranquila por parte dos pais, já que na maioria das vezes, os consideram imaturos para tomarem decisões. Sendo um dos papeis da família, orientar e educar os filhos, a busca pelo próprio caminho, para muitos pais, pode ser muito difícil.

De acordo com a psicologia de terapia familiar, a síndrome de ninho vazio corresponde à ideia de que os pais tardiamente percebem que não se encontraram em outros papeis, que não os de ser pai e mãe.

Sintomas da síndrome de ninho vazio

Entre os principais sintomas da síndrome de ninho vazio podemos encontrar:

    • Tristeza;

 

 

    • Melancolia;

 

    • Raiva;

 

    • Distúrbios do sono;

 

    • Distúrbios alimentares;

 

  • Diminuição da libido.

Como lidar com esse vazio?

É preciso compreender o contexto todo. Nem sempre a sua visão é a mais clara e acertada. Procure ser empático e se colocar sob o ponto de vista de seu filho. Entender esta nova fase, que os próprios pais passaram na juventude, aliviará a tensão.

É absolutamente natural a saída dos filhos de casa, até em culturas mais rígidas e conservadoras. O momento é de reflexão e apoio.

É sinal de que para você também chegou ao final de uma fase. Repense o que isso significa para a sua vida, o passado e o que fazer no futuro. Pense em novos planos.

E o principal: tenha orgulho de ser pai de um filho independente, que significa que o seu papel foi cumprido. A saída de casa não rompe o seu elo materno/paterno com o filho. E em muitas situações, o próprio relacionamento com os filhos melhora muito quando saem de casa. Toda mudança traz desprendimentos com o passado.

Ao contrário do que se pensa, ajudar os filhos nesta fase é tão importante quanto estarem sob as asas dos pais. Tal sofrimento pode se estender até por meses e anos. A síndrome de ninho vazio torna impossível aos pais de prosseguirem a sua rotina do mesmo jeito, e em alguns casos adoecem ou partem para algum tipo de vício. Toda comunicação clara é sempre bem-vinda. Esse fator torna preventiva a preparação para este momento.

Muitos estudos vem relacionando que a síndrome de ninho vazio acomete mais às mães do que aos pais, pelo fato de que dedicaram muito mais tempo de sua atenção aos filhos. Manter o contato de perto, nas próximas fases, irá promover uma ótima ligação.

Se não souber lidar com a síndrome de ninho vazio, busque ajuda profissional. Se os pais não puderem superar esta fase nova, o apoio entre profissionais e de familiares são igualmente importantes.

Não deixe se envolver pela solidão, os laços emocionais não serão rompidos. Um profissional da psicologia de terapia familiar saberá orientar este processo de adaptação que pode ser lento, com a nova realidade.

Se você gostou deste texto sobre síndrome de ninho vazio, conheça nossos temas referentes à terapia familiar.

Outros textos que podem lhe interessar

Autor: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)
*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.