Gostaria de mudar de carreira mas não sabe qual escolher?

Categoria dos serviços dos psicólogos: terapia cognitivo comportamental
Mudar de carreira

Mudar de carreira em determinada fase da vida requer planejamento e decisões importantes

Os jovens costumam questionarem-se muito sobre qual profissão escolher, pois acreditam que ela será definitiva por toda sua vida. Mas os anos passam e depois percebem que aquela profissão não era bem o que queriam… O que fazer quando se pretende mudar de carreira e assumir outra área? Para ajudá-los neste momento de transição, confira algumas dicas especiais dos psicólogos.

As profissões estão em constante transformação

Nem sempre a área de atuação em que você trabalha permanece igual. Ou se ela é realmente aquilo tudo que você imaginava que fosse… Ou ainda, com o passar dos anos e com o surgimento de novas tecnologias, algumas profissões deixam de existir ou ainda passam por mudanças abruptas.

Está a procura de psicólogo em São Paulo para atendimento de terapia cognitivo comportamental? Conheça os nossos psicólogos, veja o valor das consultas e agende sua consulta diretamente pelo nosso site.

Para algumas pessoas, a ideia do novo significa romper barreiras e se arriscar a novos desafios. E isso pode denotar insegurança e instabilidade. E pessoas que estão há mais de 10 anos em uma profissão normalmente desejam estabilidade. Por isso, enfrentar uma mudança pode ser uma situação de estresse.

Na verdade, o conceito de profissão ou de carreira vem mudando ao longo dos anos. As mudanças constantes impostas pelas novas tecnologias obriga o mercado a se adaptar às novas formas de atuar. E isso obriga os profissionais a se adaptarem as novas tecnologias. Por exemplo, hoje em dia, muitas pessoas trabalham em casa, graças à tecnologias como a internet.

É muito importante para qualquer profissional, hoje, acompanhar o processo de inovação no mundo do trabalho. Diante desse quadro, a mudança hoje é uma constante em qualquer carreira.

Portanto, mesmo que opte por permanecer na mesma carreira, isso também significa mudanças. Então, qual o problema de sair de uma área em que está insatisfeito e buscar uma forma de atuação que lhe dê mais realização pessoal?

Dicas para mudar de carreira

Como vimos, a mudança é algo inevitável mesmo que você decida permanecer na mesma profissão. E, se você realmente está insatisfeito e deseja mudar de carreira, saiba que isso é possível, sim. Independentemente da idade ou tempo de atuação.

Mas mudar de carreira não significa simplesmente se demitir e jogar tudo para o ar, alertam os psicólogos. Primeiro é preciso escolher com segurança. E isso gera muitas dúvidas. Para ajudá-los, confira alguns passos de como fazer a escolha correta.

Passo 1. Primeiramente você precisa saber qual a área de atuação em que deseja trabalhar. Imagine que a área de atuação é um guarda-chuva. Coloque embaixo dele todas as atividades que é possível realizar. Esta orientação inicial dará o foco e clareza necessários para optar pela mudança correta.

Passo 2. Em segundo lugar, reveja as suas metas mais claras, esqueça aquelas metas complicadas e subjetivas. Focalize um plano certo e determinado. Sem isso, não haverá mobilidade.

Passo 3. Em terceiro lugar, liste e enumere todas as possibilidades de carreira que se aproximam ao seu interesse. Prepare um esboço de cada uma delas.

Passo 4. Após conhecer as possíveis carreiras, veja em qual o seu perfil se encaixa, mediante afinidade de tema, facilidade para lidar com certos padrões de trabalho, etc.

Passo 5. Jamais se esqueça que uma boa rede de contatos é imprescindível para criar referências lá fora. Toda mudança requer também um alinhamento interno, mental e emocional, e para isso, é importante prestar atenção ao seu ritmo interno, pelo autoconhecimento. Saiba que juntar-se com profissionais da sua área escolhida é uma das melhores maneiras de tomar qualquer decisão sobre a mudança de carreira.

Por que muitas vezes desejamos mudar?

Geralmente acontece que, em todo começo de carreira, ignoremos alguns desconfortos. E também é muito comum que não façamos ideia do que realmente será a rotina e o dia a dia do trabalho. Quer um exemplo?

Um jovem, por exemplo, pode gostar muito de jogos de videogame. Por isso, ao optar pela carreira, ele resolve fazer programação de jogos. No entanto, ao começar a trabalhar, ele percebe que a profissão é completamente diferente do que ele esperava, ela pode exigir muita linguagem de programação e lógica. No entanto, a expectativa dele seria de participar da parte criativa. Então ele pode decidir, após alguns anos, mudar para a área de direção de arte, por exemplo.

Também é importante ressaltar que nem sempre a mudança de carreira precisa ser drástica. Às vezes, começar do zero na mesma área é mais interessante do que mudar de carreira. O mais importante é que você construa as diretrizes sob o seu controle e realização pessoal.

Mudar de carreira como um processo pessoal

A melhor maneira de mudar de carreira é encarar isso como um processo. Quando você opta por mudar de carreira deve estar preparado para assumir novas responsabilidades e até riscos.

Todo o risco deve ser pensado antecipadamente. Por exemplo, toda transição de profissão gera certos custos. Se você encarar esta mudança como novo aprendizado, estará com certeza mais pleno no futuro para administrar sua carreira.

Escolher uma carreira não é coisa fácil, requer planejamento, cuidado e realização pessoal. Por isso, se não bem dosado, pode converter-se em ansiedade, desânimo e frustração, medo e estresse. Os problemas na carreira profissional a nível emocional são um dos maiores índices de diagnósticos terapêuticos sérios.

Se você ainda está em dúvida, um psicólogo pode ajudá-lo muito. A terapia irá lhe proporcionar autoconhecimento, que é uma habilidade fundamental para ter total segurança para dar esse passo em sua vida.

Gostou do artigo? Então acesse o nosso site e confira outros textos com excelentes dicas sobre sua carreira.

Outros textos que podem lhe interessar

Autor: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)
*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.