Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Abordagens da Psicologia: um Guia Completo

As abordagens da psicologia em um Guia Completo

Um guia completo sobre as principais abordagens da psicologia.

Os psicólogos adotam diferentes abordagens da psicologia ao tentar entender o comportamento humano. Por exemplo, os psicólogos que adotam a abordagem biológica assumem que as diferenças de comportamento podem ser entendidas em termos de genes, estrutura cerebral e hormônios, que podem predispor uma pessoa a determinadas condições de saúde.

Psicólogos comportamentais enfatizam o papel do ambiente no comportamento de uma pessoa e acreditam que aprendemos um novo comportamento como resultado do condicionamento.

Os psicólogos sustentam que os estilos parentais, o ensino e as experiências de vida ajudam a moldar-nos como indivíduos. As abordagens cognitiva e psicodinâmica olham para dentro, concentrando-se nos pensamentos e outros processos cognitivos que levam uma pessoa a se comportar como ela.

É papel do psicólogo ajudar, e é importante entender que uma abordagem psicológica pode ser mais ou menos eficaz para determinada pessoa e/ou tratamento. Caso alguém opte por uma abordagem behaviorista, por exemplo, e não vê muitos avanços, isso não significa que ela deva desistir de um psicólogo. Deve, sim, buscar outra abordagem. 

Gostaria de conhecer as principais abordagens da psicologia? Então confira nosso texto!

Principais abordagens da psicologia

Diferentes abordagens da psicologia oferecem explicações contrastantes para muitas questões.

Adotando uma abordagem biológica para entender as causas da esquizofrenia, por exemplo, pode-se referir a estudos com gêmeos, que indicaram um componente genético para o distúrbio. No entanto, a abordagem comportamental enfatiza as correlações entre esquizofrenia e o contexto de vida.

Obviamente, fatores genéticos e ambientais frequentemente influenciam o mesmo problema. Assim, cada uma das explicações dadas por várias abordagens podem nos ajudar a aprofundar nossa compreensão em psicologia.

Abaixo, resumimos e avaliamos as principais abordagens da psicologia. Confira.

Abordagem Fisiológica (Biológica)

Abordagem Fisiológica (Biológica)

A abordagem biológica, também conhecida como Neurociência Comportamental, pressupõe que fatores biológicos influenciam nosso comportamento e bem-estar mental de uma maneira de causa e efeito.

Fatores biológicos incluem genes herdados dos pais, que os psicólogos acreditam que podem influenciar se eles estão predispostos a algumas condições.

A abordagem biológica também se concentra nos processos físicos que ocorrem no sistema nervoso central (SNC), que compreende o cérebro e a medula espinhal. Os neurocientistas descobriram que diferentes áreas do cérebro desempenham funções específicas, apoiando a influência da estrutura do cérebro no comportamento das pessoas.

Por exemplo, o lobo temporal auxilia no processamento da linguagem, enquanto o lobo frontal desempenha um papel em nossa experiência de emoções.

Como os avanços tecnológicos melhoraram a capacidade dos cientistas de investigar processos que ocorrem no cérebro, eles foram capazes de identificar o papel desempenhado por regiões específicas do cérebro. A amígdala nos ajuda a armazenar memórias e experimentar emoções.

Em um estudo foi descoberto que o hipocampo — que desempenha importantes funções de memória — era maior no cérebro dos motoristas de táxi de Londres. Isso acontece pois são obrigados a armazenar grandes quantidades de informações sobre as vias públicas para cumprir seu trabalho.

Este estudo demonstra como o cérebro pode responder a mudanças nas condições, como a necessidade de lembrar informações, com ajustes biológicos conhecidos como neuroplasticidade.

Valor Consulta Psicóloga Cláudia






Não quero informar nome ou e-mail





A abordagem biológica também procura entender os seres humanos como uma coleção de reações químicas. Por exemplo, pesquisas sugerem que os níveis de neurotransmissores no cérebro, como a serotonina, desempenham um papel importante na depressão.

Hormônios que circulam na corrente sanguínea e em outros órgãos também podem influenciar nosso comportamento. O cortisol é liberado em momentos de estresse, em preparação para uma resposta de luta ou fuga a uma ameaça.

Outros hormônios ajudam a regular os ritmos biológicos, como o ciclo menstrual nas mulheres. A melatonina nos ajuda a manter um ciclo regular de sono e vigília, resultando em uma sensação de cansaço no final da noite.

Comparadas a outras abordagens da psicologia, a perspectiva biológica adere aos métodos científicos estabelecidos mais próximos de estudar a mente humana. A abordagem baseia-se na observação de humanos e outros animais em experimentos.

A validade dos achados derivados de experimentos pode ser testada por outros psicólogos, devido à sua replicabilidade.

Técnicas de imagem cerebral, como ressonância magnética (RM), ressonância magnética funcional (fMRI) e tomografia computadorizada (TC), desempenham um papel cada vez mais significativo na investigação de processos que ocorrem no cérebro.

Os pontos fortes da abordagem fisiológica residem na descoberta empírica de experimentos e na sua falsificabilidade. Diferentemente das teorias psicodinâmicas de Freud, as hipóteses podem ser comprovadas ou refutadas.

Os críticos veem a abordagem fisiológica como reducionista, pois ignora as complexidades e a imprevisibilidade dos seres humanos, sua personalidade e seu comportamento. A abordagem também ignora, em certa medida, as influências ambientais, como o comportamento aprendido.

Abordagem evolucionista

Abordagem evolucionista

A abordagem evolucionista também olha para a composição biológica de uma pessoa, a fim de entender seu comportamento.

Mas, onde explicações fisiológicas citam a atividade dentro de um indivíduo e de seu cérebro, a abordagem evolucionária assume que a mente foi ajustada em resposta ao seu ambiente por muitos milhões de anos.

Uma teoria geral da evolução foi proposta por Charles Darwin em seu livro de 1859 Sobre a origem das espécies. As ideias de Darwin foram, em parte, o resultado de uma viagem às ilhas Galápagos.

Ao comparar a anatomia dos pássaros nas ilhas, ele descobriu que o formato de seus bicos variava dependendo do ambiente da ilha em que viviam. Ele concluiu que os pássaros haviam mudado de geração em geração, em resposta ao seu habitat.

A forma dos bicos dos pássaros havia se adaptado para permitir que eles procurassem alimentos disponíveis com mais eficiência.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Essa adaptação é o resultado da seleção natural, na qual indivíduos idealmente adaptados são capazes de se alimentar mais e têm uma chance maior de se reproduzir para produzir filhos semelhantes. Da mesma forma, traços desejáveis ​​em um parceiro têm maior probabilidade de serem passados ​​para gerações futuras como resultado da seleção sexual.

Os psicólogos evolucionistas acreditam que os princípios da evolução podem ser usados ​​para entender o comportamento humano. Muitos consideram a experiência do estresse um resultado da adaptação dos seres humanos para sobreviver aos predadores.

Como parte da resposta de luta ou fuga a uma ameaça, o corpo adotará um estado de alerta em preparação para afastar um agressor ou escapar dele. Hoje, no entanto, o estresse não serve mais como uma vantagem significativa de sobrevivência, como teria para nossos ancestrais.

Como a abordagem fisiológica, a psicologia evolucionária fornece evidências confiáveis ​​que explicam porque nos comportamos de determinadas maneiras. No entanto, a abordagem foi criticada por ser reducionista e por não considerar as diferenças individuais entre as pessoas.

Abordagem comportamentalista (Behaviorismo)

Abordagem comportamentalista (Behaviorismo)

A abordagem comportamental pressupõe que cada pessoa nasça uma tábula rasa, ou folha em branco. Em vez de serem influenciados por genes e processos biológicos, os behavioristas acreditam que nosso comportamento é determinado por nosso ambiente externo.

Uma pessoa aprende com suas experiências de vida e é moldada para se comportar de uma maneira específica como resultado. Os behavioristas observam o comportamento que uma pessoa exibe, em vez dos processos internos da mente.

Os behavioristas se concentram no condicionamento — tanto na forma clássica quanto na operante — como uma forma de aprendizado. O condicionamento envolve o uso de um estímulo para evocar uma resposta desejada — um tipo específico de comportamento — de uma pessoa ou animal.

Os treinadores de animais, por exemplo, fornecem aos cães a perspectiva de um tratamento (um estímulo) para recompensar o bom comportamento (a resposta condicionada). 

A pesquisa sobre o condicionamento clássico foi pioneira pelo fisiologista Ivan Pavlov (1849-1936). Em experimentos de laboratório com cães, um pesquisador abria uma porta para alimentar os animais. Instintivamente, os cães salivavam ao ver comida.

No entanto, Pavlov observou que os cães salivavam quando a porta se abria, mesmo quando não havia comida. Os cães começaram a associar a abertura da porta ao recebimento de comida. Com o tempo, a porta — um estímulo incondicionado — tornou-se um estímulo condicionado, evocando a resposta condicionada da salivação dos cães.

Em 1905, Edward Thorndike identificou uma forma alternativa de condicionamento em gatos, que ele descreveu como a lei do efeito. BF Skinner também observou esse comportamento nos pombos, referindo-se a ele como condicionamento operante.

Em um experimento em que os pombos eram alimentados periodicamente através de um mecanismo em uma ‘caixa Skinner’, ele observou que os pássaros aprendiam a adotar tipos específicos de comportamento, como girar no sentido anti-horário, antes de receber comida. A comida era um reforço positivo de seu comportamento.

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Durante o condicionamento operante, a pessoa aprende a adotar um comportamento específico como resultado de reforços ou punições. Reforços positivos envolvem uma recompensa desejável, como alimentos. A diminuição de um estímulo indesejável é um reforço negativo.

As punições também podem facilitar o condicionamento operante. A imposição de um evento indesejável, como o toque de um alarme, é uma punição positiva, enquanto uma punição negativa envolve privar alguém de algo que ele deseja.

Enquanto condicionado desempenha um papel importante na aprendizagem, Skinner observou que as respostas aos estímulos não continuaria indefinidamente. Se um objeto fornece uma resposta condicionada, mas não recebe os estímulos por um período, este comportamento condicionado desaparece.

A abordagem comportamental adota princípios científicos semelhantes às abordagens biológicas. Evidência é recolhida através da observação de comportamento, incluindo em experimentos envolvendo seres humanos e animais.

No entanto, na medida em que a observação do comportamento não-humano pode ser aplicado em humanos é questionável. A abordagem comportamental também é reducionista em sua ênfase no comportamento, deixando de considerar atividades internas mais difíceis de observar, como pensamentos e emoções.

Abordagem cognitiva

Abordagem cognitiva

A abordagem cognitiva leva uma visão diferente do comportamento humano, principalmente em relação aos behavioristas. Em vez de simplesmente observar o comportamento, ele analisa os processos cognitivos internos que levam uma pessoa a agir de uma maneira específica.

A abordagem cognitiva se concentra em questões como a codificação, consolidação e recuperação de memórias, emoções, percepção, resolução de problemas e linguagem.

Os cientistas cognitivos costumam usar a metáfora do cérebro funcionando de maneira semelhante a um computador. Assim como um processador de computador recupera dados de um disco ou da Internet, o cérebro recebe sinais de entrada: entrada visual dos olhos, som dos ouvidos, sensações via nervos, etc.

O cérebro, então, processa essa entrada e responde com uma saída específica, como um pensamento ou sinal para mover um músculo específico. Esta analogia do computador do cérebro pode ser visto em muitas explicações cognitivas da mente humana.

Os psicólogos cognitivos consideram a maneira em que o conhecimento existente sobre pessoas, lugares, objetos e eventos, conhecidos como esquemas, influenciam a forma pela qual percebemos e pensamos sobre as situações de nosso dia a dia. 

Embora os processos cognitivos sejam difíceis de medir, a abordagem cognitiva usa métodos científicos, incluindo experimentos que visam revelar nossos pensamentos internos por meio de nossas ações.

Abordagem humanista

Após a abordagem psicodinâmica e o behaviorismo, a abordagem humanista é considerada a “terceira força” na psicologia. Surgiu em reação a abordagens anteriores, rejeitando o reducionismo do comportamento humano a um conjunto de estímulos e respostas propostos por behavioristas.

Os psicólogos humanistas sentiram que tal abordagem ignorava as motivações humanas que nos impulsionam, e o livre arbítrio que experimentamos para tomar decisões independentemente.

Eles acreditavam que o behaviorismo se concentrava demais em pesquisas quantitativas e métodos científicos, como a experimentação, medindo respostas para produzir estatísticas que explicam as tendências comportamentais dos grupos. No entanto, não conseguem entender a verdadeira natureza do indivíduo. 

A abordagem humanista também rejeitou o determinismo da abordagem psicodinâmica, com a suposição de que o subconsciente e seus impulsos inatos levam ao comportamento de uma pessoa, e não ao seu livre-arbítrio.

Em vez disso, a abordagem humanística assume que os indivíduos possuem algum grau de autocontrole, são capazes de determinar seu próprio comportamento. Embora crenças, valores, moral e objetivos influenciem nossas ações, possuímos livre-arbítrio e somos responsáveis ​​por nosso comportamento.

Os psicólogos humanistas reconhecem a individualidade única de cada pessoa e aceitam que as experiências subjetivas contribuam para nossas personalidades e nosso comportamento.

A abordagem humanistas enfatiza a importância da evidência qualitativa sobre as medidas quantitativas e estatísticas de abordagens mais científicas. Os indivíduos podem ser entrevistados e podem expressar seus verdadeiros sentimentos. Também podem ser utilizados questionários abertos, assim como observações de clientes e manutenção de diários.

Em contraste com as perspectivas biológicas, a abordagem humanista reconhece a individualidade dos seres humanos, juntamente com o livre arbítrio indicado por nossos pensamentos conscientes.

No entanto, a psicologia humanista carece da evidência empírica que a abordagem fisiológica é capaz de obter através da experimentação. Também ignora o valor significativo das abordagens biológicas, incluindo o papel desempenhado pelos genes e pela neuroquímica na influência do comportamento.

Abordagem Psicodinâmica

Abordagem Psicodinâmica

A abordagem psicodinâmica enfatiza o papel que a ‘dinâmica’ interna da personalidade de uma pessoa desempenha em seu comportamento. Estes incluem os impulsos inatos com os quais nascemos, mas permanecem inconscientes.

Às vezes, essas unidades resultam no potencial de comportamento indesejável ou socialmente inaceitável. Portanto, a mente tenta silenciar desejos, como impulsos sexuais, reprimindo-os. No entanto, a repressão não elimina os impulsos de uma pessoa e os conflitos internos podem surgir como problemas aparentemente não relacionados mais tarde na vida.

A abordagem psicodinâmica foi popularizada pelos escritos do médico austríaco Sigmund Freud (1856-1939). As publicações de Freud, que incluíam estudos de caso e teorias psicodinâmicas sobre questões como a psique e o humor humano, fizeram com que ele fosse considerado o pai da psicanálise.

Freud identificou cinco estágios do desenvolvimento psicossexual, durante os quais uma pessoa obtém satisfação de uma área diferente do corpo, ou zona erógena. Esses estágios incluem o estágio oral durante a alimentação, pois a criança desfruta de conforto ao beber leite. O estágio anal posterior abrange um período de treinamento no banheiro.

Freud acreditava que se uma pessoa fosse impedida de satisfazer suas necessidades em qualquer estágio, poderia ocorrer uma fixação envolvendo a zona erógena relevante. Por exemplo, se uma criança não conseguir se alimentar adequadamente durante a fase oral, de acordo com a teoria de Freud, ela poderá desenvolver mais tarde o hábito de roer unhas ou fumar.

Além disso, Freud propôs que a psique humana é composta por três entidades concorrentes: o ID, o Ego e o Superego. O ID conduz desejos impulsivos, enquanto o Ego os tempera com as realidades externas de serem potencialmente punidos por se comportarem irracionalmente. O Superego está ciente das ações de uma pessoa sobre os outros e é responsável por sentimentos de culpa e arrependimento.

Mas, controversamente, Freud propôs que os homens sofrem de um complexo de Édipo — um desejo por sua mãe que resulta em um ressentimento por parte do pai. Da mesma forma, ele acreditava que as mulheres desejam seus pais, como parte de um complexo Electra.

A abordagem psicodinâmica também considera o comportamento humano motivado pelo desejo de preservar a autoestima e o senso de valor. Os pensamentos ameaçadores ao ego são confrontados com a implantação de mecanismos de defesa, que incluem repressão, sublimação e transferência de sentimentos de uma pessoa para outra.

Freud é creditado por chamar a atenção para a influência dos pensamentos e desejos subconscientes na psique humana.

No entanto, o estudo de tais unidades é impossível de observar objetivamente.

Como Escolher meu Psicólogo?

Confira no nosso guia completo sobre psicólogo e psicoterapia. Nele você encontrará dicas do que considerar na escolha do seu psicólogo.

COMO ESCOLHER MEU PSICÓLOGO

Em vez disso, Freud usou a psicanálise em um esforço para obter relatos das condições de seus pacientes. Ele se concentrou não apenas em sua condição atual, mas usou associação livre, hipnose e regressão para explorar suas experiências de infância, seus relacionamentos com os pais e com outros membros da família.

As teorias de Freud tornaram-se incrivelmente influentes no momento de sua publicação, mas nas décadas posteriores, os psicólogos começaram a questionar algumas de suas ideias. Sua dependência de aspectos seletivos dos estudos de caso foi a única evidência que Freud usou para apoiar suas teorias. Teorias sobre a psique também são difíceis de provar e não podem ser falsificadas.

Concentrando-se em pensamentos e impulsos subconscientes, as teorias psicodinâmicas também desconsideram a importância do autocontrole, por meio de pensamentos conscientes e livre arbítrio.

No entanto, Freud continua a influenciar as gerações seguintes de psicanalistas.

Uma escola de psicólogos conhecida como escola neo-freudiana procurou desenvolver ainda mais suas teorias.

Carl Jung, por algum tempo um defensor de Freud antes de se separar dele, era um desses membros desse grupo. Jung observou o papel dos motivos e símbolos recorrentes nas obras culturais, que ele descreveu como “arquétipos”. Ele acreditava que eles influenciam nossas ideias e crenças de maneira semelhante aos esquemas de memória

Como vimos, há muitas abordagens da psicologia. Em nosso artigo pincelamos algumas das mais conhecidas e que mais influenciam terapias. O que mais importa é que você encontre a sua abordagem. 

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • TCC – Terapia cognitivo-comportamental

    Terapia cognitivo-comportamental Psicologia
    Psicólogos que tratam terapia cognitivo comportamental em São Paulo. Conheça os psicólogos especialistas, leia dezenas de textos e marque sua consulta
  • Conheça os principais tipos de terapia

    Conheça os principais tipos de terapia
    As terapias são divididas em muitas linhas, teorias e abordagens. Conheça aqui os principais tipos de terapia. Consultório da psicóloga em São Paulo
  • Psicólogo ou Psiquiatra?

    Psicólogo ou psiquiatra qual profissional procurar
    Psiquiatra ou psicólogo, qual escolher? Conheça as diferenças entre ambos, localização do consultório em São Paulo, próximo ao Shopping Morumbi

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana Brotto

CRP 106524/06. CEO do consultório Psicologo Com.Br. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *