Newsletter Gratuita
Assine Aqui

O lado bom do tédio

O lado bom do tédio

O tédio é um estado de humor formado por um conjunto de sentimentos pouco agradáveis, como desgosto e aborrecimento. Ele aparece quando não encontramos nada interessante para preencher o nosso tempo. A ausência prolongada de estímulos intelectuais e de prazer é capaz de aborrecer qualquer um.

Mas sabia que o tédio não é de todo mal? As pessoas podem reverter a situação quando se encontram entediadas. Para isso, precisam compreender como o cérebro se comporta em momentos de ócio e os efeitos desse sentimento na saúde mental.

Como surge o tédio

O tédio é o sentimento que aparece com a repetição de tarefas pouco complexas e previsíveis. Profissionais ficam entediados no ambiente de trabalho quando suas tarefas diárias são repetitivas e não estimulam o seu potencial. Enquanto engajam nas atividades diárias, sentem a necessidade de executar tarefas mais satisfatórias.

Valor Consulta Psicóloga Veluma






Não quero informar nome ou e-mail





O pesquisador e professor John Eastwood da Universidade de York, no Canadá, define o tédio como o desejo de ter uma experiência satisfatória em uma circunstância inevitável, como, por exemplo, no trabalho. Atividades rotineiras, como lavar a louça e passar pano no chão, também despertam esse anseio.

Segundo Eastwood, o tédio piora à medida que as pessoas se tornam obcecadas por ele. O simples ato de pensar em quanto estamos entediados é capaz de aumentar a intensidade desse sentimento, tornando a nossa experiência mais desagradável.

Pesquisas acerca dessa sensação também apontam que pessoas criativas tendem a sentir mais tédio.

A recorrência de momentos maçantes se dá pela maior necessidade de estímulos interessantes. Ironicamente, o tédio faz com que esses indivíduos usem a sua criatividade para criar, inovar e produzir.

Quando o tédio é bom

O tédio tem ligação direta com a criatividade. Quem fica ocioso com facilidade está sempre buscando novas formas de fazer tarefas rotineiras e torná-las mais interessantes. Assim, sem querer, acabam revolucionando métodos antiquados e inspirando pessoas a repensarem a forma como agem.

Além disso, nesse período de ócio, o cérebro não tem contato com distrações, possibilitando maior fluxo de pensamentos. Logo, as ideias criativas têm mais probabilidade de aparecer nesses momentos de inação.

É por isso que muitas pessoas possuem ideias bacanas quando estão no banho, caminhando ou limpando a casa.

Artistas, cientistas e empreendedores geralmente são indivíduos que se entediam facilmente. Para combater esse sentimento, eles modificam o seu modo de fazer as coisas e surgem com novas criações, utilizando todo o potencial de sua criatividade.

Outro ponto positivo do tédio é a inclinação para o altruísmo. De acordo com uma publicação do Psychology Today, alguns pesquisadores acreditam que pessoas entediadas buscam significado para suas vidas com mais frequência. Deste modo, engajam em atividades altruístas e de cunho social.

Quando o tédio é ruim

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Às vezes, o cérebro precisa de um período ocioso para deixar a criatividade fluir. A necessidade urgente de se livrar do tédio pode atrapalhar o momento de descanso do cérebro, sobrecarregando-o e afastando ideias criativas.

O excesso de aborrecimento, no entanto, é prejudicial para a saúde mental. O tédio reduz a capacidade de concentração, aumentando a probabilidade de erros. Para algumas profissões, como pilotos ou motoristas, um erro oriundo do tédio pode ser fatal.

Uma vida maçante também leva as pessoas a buscarem sensações boas em meios pouco convencionais, que ameaçam a saúde do corpo.

A necessidade de se livrar do tédio também resulta em aumento de sono. O relógio biológico é desconfigurado em virtude dos constantes cochilos diurnos e noites mal dormidas. Não raro as pessoas desenvolvem condições psicológicas por causa de sua rotina do sono.

Momentos de ócio são comuns à vida de todos. É impossível permanecer entretido o tempo todo. Tarefas pouco estimulantes também são corriqueiras e, por vezes, necessárias, como é o caso de atividades profissionais.

Porém, se esses períodos passarem a dominar o seu cotidiano, significa que você precisa buscar atendimento psicológico. A apatia pode ter afetado a sua perspectiva de vida, roubando o interesse por atividades e relacionamentos interpessoais.

Na verdade, os momentos ociosos não aumentam, somente se tornam mais intensos devido ao seu estado emocional.

Como usar o tédio ao seu favor?

Aprender a aproveitar o lado bom do tédio para não ser refém do lado ruim é uma necessidade de todas as pessoas. Esse aprendizado, contudo, é absorvido com o tempo. À medida que você descobre o que funciona para deixá-lo entretido e estimulado, você consegue conviver melhor com situações maçantes.  

Primeiramente, você precisa modificar a sua imagem negativa do tédio e encontrar modos produtivos de lidar com ele. A maioria das pessoas hoje tem aversão à inatividade. Se não têm nada para focar a sua atenção, ligam a TV ou vão assistir um filme.

Essa forma de entretenimento passiva não é prejudicial quando controlada. Todavia, o consumo exagerado desses estímulos é exaustivo para o cérebro. Atividades que requerem a concentração e o raciocínio são mais benéficas.

Confira algumas orientações simples de como começar a usar o tédio ao seu favor.

1.     Estimule a criatividade

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Quando ficar entediado, aproveite para buscar referências criativas para uma pendência profissional ou um projeto pessoal. Pergunte-se como você pode melhorar determinada habilidade ou produção criativa, como trabalhos manuais, redações ou pinturas. Peça à opinião de pessoas próximas ou pesquise o que está no gosto popular. Em outras palavras, diversifique as suas fontes de inspiração.

Esta é uma forma bastante produtiva de aproveitar os seus momentos de inatividade. Você facilmente conseguirá gerenciá-los com a prática desse hábito.

Além disso, a criatividade é uma habilidade socioemocional bastante admirada no mercado de trabalho. Oportunidades podem chegar até você com o seu domínio.

2.     Busque a inovação

Ser inovador é uma característica cada vez mais procurada no mercado profissional da atualidade. Quem consegue surgir com ideias inéditas frequentemente conquista consumidores e empregadores. Então, é vantajoso compreender como você pode estimular pensamentos inovadores em sua vida.

De acordo com o dicionário, a palavra “inovar” significa introduzir uma novidade, restaurar ou fazer algo como não era feito antes. O momento perfeito para fazermos isso é quando nos encontramos sem compromisso, buscando pretextos para preencher o nosso tempo.

Transfira o foco dos pensamentos que intensificam o tédio (“que saco, não tem nada para fazer!”) para os que estimulam a criatividade e curiosidade. Por exemplo, o que você pode testar naquele projeto profissional que ainda não testou? Como modificar o modo de realizar determinada tarefa?

3.     Aceite o tédio

Um erro comum das pessoas quando se trata de tédio é querer fugir desesperadamente dele. Como pontuado antes, o cérebro precisa de períodos de “inatividade” para descansar dos constantes estímulos que recebemos ao longo do dia.

Em vez de lutar contra este sentimento, aceite-o e se permita ficar quieto por alguns instantes. Reflita sobre a sua vida, objetivos e desejos. Não é necessário se manter ocupado o tempo inteiro! Após a mente e o corpo descansarem, comece a pensar em maneiras de administrar o ócio.

4.     Faça mudanças

Além de estimulador da criatividade, o tédio é catalisador de mudanças. Se o seu cotidiano frequentemente é razão para aborrecimento, reflita sobre a possível origem desse sentimento.

O tédio, neste contexto, atua como um aviso para a necessidade de modificar um ou mais aspectos da sua vida. Se não estamos satisfeitos com a nossa vida a ponto de achá-la tediosa, está na hora de mudar!

O que você pode modificar em sua vida para torná-la mais proveitosa? Pode não ser necessário fazer uma transformação drástica, mas, sim, resolver um problema pequeno, como uma questão insatisfatória no trabalho ou no relacionamento.   

5.     Conecte-se com as suas emoções

O distanciamento das emoções também pode causar tédio. Pessoas que sofreram traumas, por exemplo, tendem a achar a vida tediosa com frequência.

Como se afastaram de suas emoções para evitar o sofrimento, possuem dificuldade para identificar exatamente o que precisam para se sentirem bem. Logo, não conseguem encontrar satisfação em suas vidas com facilidade. 

Já pessoas com sonhos frustrados tendem a desgostar de outros indivíduos ou do mundo. Todos os dias travam batalhas solitárias. Assim, descobrem que não têm energia para mais nada. Esta é uma forma de esgotamento psicológico comum.

Quem gosta de praticar esportes radicais também costuma ser vítima do tédio. Esses indivíduos estão sempre à procura de estímulos emocionantes. Consequentemente, recorrem às atividades extremas, como bungee jumping, para afastar o ócio.

Todos esses cenários têm o mesmo elemento em comum: a desconexão com as emoções. Quando estamos distantes delas, não conseguimos compreendê-las, por isso, buscamos formas inapropriadas de tentar sentir.

Shortcode

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Qual é a função das emoções?

    Qual é a função das emoções?
    Conheça a função das emoções e como elas estabelecem nossa relação com o mundo, conforme descrito por um psicólogo, consultório da psicóloga localizado em São Paulo
  • Tédio no casamento

    Evitar Tédio no Casamento
    Muitos casais passam por períodos de tédio no casamento porém não sabem como lidar com isso. Clínica de Psicologia em São Paulo (11) 4861-2233
  • Autoaceitação e autoestima: entenda a diferença

    Autoaceitação e autoestima: entenda a diferença
    A autoaceitação é o ingrediente fundamental para a receita para o bem-estar psicológico. Psicólogo localizado em São Paulo, próximo ao Shopping Market Place

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana Brotto

CRP 106524/06. CEO do consultório Psicologo Com.Br. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *