Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Categoria dos serviços dos psicólogos: terapia de casal, relacionamentos, casamento, conjugal

Quais são as consequências da traição e como superá-las

consequências da traição e como superá-las

A traição em um relacionamento é um dos momentos – se não o pior – mais difíceis de aceitar e superar. A condição de um problema emocional e psicológico pode ser ativado justamente com o sentimento de perda.

Perdoar uma traição ou não? Essa é uma dúvida muito comum em quem passa por essa situação tão delicada. Mas, será que é possível, verdadeiramente, perdoar?

Veja abaixo o índice para o Guia Completo sobre traição em relacionamentos, elaborados por psicólogos.

SUMÁRIO

  1. O que é entendido por “traição”?
  2. Veja quais são as principais consequências de uma traição
  3. O processo de superação
  4. Como perdoar uma traição?
  5. Confira 6 passos fundamentais para se recuperar de uma traição
  6. Reflexos da traição no ambiente
  7. Analisando seu passado para prosseguir no futuro

A traição é sempre acompanhada de muita dor e tristeza para o traído. Os sentimentos de negação e de falta acarretam em uma profunda tristeza, em que parece impossível de ser superada. Dúvidas e incertezas passam a assombrar a mente da vítima, tornando-a prisioneira da infelicidade.

É normal, neste momento, surgirem reações violentas “involuntárias”. Além disso, uma traição amorosa pode levar a pessoa a sofrer transtornos psicológicos, como a depressão. Desta forma, estes traumas violentos desencadeiam processos mentais e emocionais difíceis de lidar.

É importante pensar que o perdão não deve ser confundido com ficar indiferente ao que aconteceu ou ainda aceitar a pessoa de volta. O perdão deve ser encarado como se libertar da mágoa para ter uma vida leve e plena. Com o perdão você pode, verdadeiramente, seguir em frente. Com a pessoa ou sem ela.

1. O que é entendido por “traição”?

Como Escolher meu Psicólogo?

Confira no nosso guia completo sobre psicólogo e psicoterapia. Nele você encontrará dicas do que considerar na escolha do seu psicólogo.

COMO ESCOLHER MEU PSICÓLOGO

A traição é uma perda. E, assim como o luto, há um processo psicológico de pesar que todos precisam passar para seguir em frente.

As experiências traumáticas de separação, traição e culpa são diferentes para cada pessoa. Seja como for, no momento em que há uma ruptura brusca da confiança, projetos, expectativas e sonhos são violentamente alterados. Isso faz com que o equilíbrio emocional e psicológico fique vulnerável a danos de médio a longo prazo.

O estado de depressão causado por uma traição necessita de tratamento e acompanhamento psicológico. A confiança, empatia e respeito próprio são rompidos internamente e, por isso, quem passa por um momento como esse precisa de cuidados específicos.

A traição é uma das maiores responsáveis pelos rompimentos de relacionamentos. A terapia individual ou a terapia de casal são fundamentais para essa situação. Ela não apenas ajuda a pessoa a superar o trauma como pode ajudar um casal a evitar um divórcio e a resolver problemas ainda mais profundos. A fidelidade é exposta e colocada em cheque. Neste sentido, a própria noção de fidelidade poderá ser compreendida de forma diferente.

2. Veja abaixo quais são as principais consequências de uma traição:

2.1. Agressividade

Reações violentas contra o (a) parceiro (a) ou mesmo contra outras pessoas próximas são frequentes. Por causar uma dor intensa, esta primeira reação tende a ser uma forma automática de refugiar-se contra o sofrimento.

2.2. Negação/choque

O primeiro estágio de choque ou negação é quando você é confrontado inicialmente com a traição. Você pode sentir-se entorpecido ou sentir que alguém acabou de lhe dar um soco no estômago. Pode até mesmo não acreditar na traição e ignorar a existência dela.

2.3. Rompimento com o cotidiano

As primeiras reações da pessoa traída são de ruptura de laços de confiabilidade. Esse descontrole pode afetar a concentração e a rotina diária. Isso pode até mesmo gerar prejuízos no trabalho e em outros setores da vida.

2.4. Raiva

Uma vez que a traição e a perda sejam plenamente reconhecidas, o indivíduo provavelmente sentirá raiva intensa. Este é um estágio muito delicado porque é quando muitas coisas podem dar errado no processo.

Primeiramente, é fundamental reconhecer que é normal sentir raiva, mas ela precisa ser controlada. Principalmente para não se machucar mais ou machucar outras pessoas.

É bom procurar maneiras saudáveis de desabafar a raiva, seja conversando com pessoas queridas, escrevendo em diários, praticando uma atividade física ou buscando o auxílio de um terapeuta.

2.5. Tristeza

A tristeza é o próximo estágio a trabalhar com a raiva; a pessoa traída em algum momento deve começar a chegar a um ponto de tristeza. A tristeza é sentida quando você começa a reconhecer toda a extensão da perda.

Começa a sentir falta das coisas boas do relacionamento. Você pensa na traição e sabe que nunca pode obter total confiança de volta.

2.6. Depressão

O dano causado pode estimular a tensão, o estresse, e provocar dores emocionais consideráveis. Crises de raiva, inquietação, ansiedade e agonia constante levam à depressão.

O transtorno do stress pós-traumático da traição leva a pessoa a considerar que as suas relações com o mundo externo não são tão confiáveis assim. E isso não apenas gera transtornos graves como faz com que a pessoa evite buscar qualquer tipo de ajuda.

2.7. Aceitação

O processo de luto é um processo de cura. Foi construído em nossas mentes para nos ajudar a lidar com as inúmeras perdas que experimentamos na vida. Se confiarmos no processo completamente, nos curaremos.

Confiar no processo significa permitir que os sentimentos sejam o que são, sejam eles quais forem. Os sentimentos nunca são errados ou ruins. O que fazemos por causa de sentimentos pode ser errado ou ruim, mas isso é uma escolha.

Os sentimentos em si não são ruins. Portanto, eles não vão nos machucar. Eles nos ajudam na cura.

Se você confiar nesse processo de cura, você finalmente chegará a um ponto de aceitação. E aí sim é possível perdoar uma traição. Quando chegamos nesse ponto, estamos prontos para dar o próximo passo, que falaremos a seguir.

3. O processo de superação

Como lidar com a traição

O caminho para a recuperação do trauma dependerá das reações imediatas e do comprometimento com a sua busca pela saúde mental e emocional. Curar uma ferida pode ser difícil, mas não é impossível.

O esforço empreendido exige a prática de rotinas e condutas construtivas voltadas para o reestabelecimento do autocontrole. A reconstrução gradual da rotina diária se realizará através de pequenas mudanças.

Por trás dos distúrbios ocasionais, existem ainda as emoções reprimidas que podem dificultar a superação. Por isso um psicólogo tem papel fundamental neste momento. É ele quem lhe ajudará a entender e ressignificar toda essa bagagem emocional.

4. Como perdoar uma traição?

Em primeiro lugar, vamos ressaltar algo que foi dito ao longo do texto: perdoar uma traição não significa aceitar a pessoa de volta. Ou ser indiferente ao que ela fez. Perdoar é aceitar que todos somos humanos, é aceitar a própria vulnerabilidade e saber que temos capacidade para aprender e nos tornarmos mais fortes. É saber que todos também podemos errar e que um ato ruim não é sua culpa. O outro tem seus problemas e fraquezas, assim como nós.

Perdoar uma traição é conseguir verdadeiramente ir em frente. É poder começar, eventualmente, um novo relacionamento sem ter esse pesar no coração, sem ter desconfiança excessiva e sem se prejudicar. É ter confiança em si mesmo e poder tomar a decisão que te faz mais feliz.

Agora vamos a um ponto muito importante: devemos ou não aceitar a pessoa de volta? Será que podemos voltar a confiar em quem nos traiu? A resposta para isso é: depende. Depende do que você decidir após passar por todos os estágios do pesar. E não se sinta mal na hora de tomar a sua decisão.

Mas, se você ainda está confuso (a) se deve ou não perdoar uma traição, veja algumas perguntas que você deve se fazer, que podem lhe ajudar a ponderar essa decisão:

  • A traição é um comportamento contínuo ou a pessoa reconhece a dor que causou e está tentando mudar o comportamento?
  • Além disso, o indivíduo quer perdão? Para querer o perdão, a pessoa tem que ver o comportamento como errado, por exemplo.
  • A transgressão foi provocada por raiva justificada e a pessoa se arrependeu de ter agido tão precipitadamente? Ela aprendeu com esse comportamento e provavelmente não fará isso novamente?
  • Há quanto tempo você conhece a pessoa? Ela já traiu outros companheiros/companheiras?
  • Você conversou com a pessoa e ela aceitou a responsabilidade do ato?
  • O que faz esse relacionamento valer o perdão?

Você precisa perdoar uma traição para seguir em frente sem amargura. O mais importante é a sua felicidade, sempre tenha isso como peso máximo na balança.

5. Confira, em seguida, 6 passos fundamentais para se recuperar de uma traição:

A traição pode levar muito tempo para curar. Os sentimentos iniciais de mágoa, dor e desespero parecem que nunca terminarão. No entanto, ao longo do tempo, à medida que você trabalha a dor, ela se tornará menor. Por isso é importante lidar com a traição, só assim você poderá deixá-la verdadeiramente para trás.

5.1. Reconheça que foi traído

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Não finja que não aconteceu. Até porque você não vai remover isso da memória, apenas mover para um lugar oculto da mente. E essa dor vai crescer e se alastrar e pode infectar outros aspectos saudáveis da sua vida.

É muito difícil aceitar que alguém que você ama e confia, para quem contou seus segredos mais íntimos e compartilhou a vida pode tê-lo traído. Reconheça isso pelo que é. Alguém quebrou a confiança que você tinha e vai levar um tempo para superar isso.

5.2. Permita-se sentir

Há muitas emoções pelas quais uma pessoa passa quando descobre que foi traída. Estes sentimentos vão da raiva à depressão, mágoa e até mesmo desejo de vingança. Provavelmente, uma das emoções mais importantes que você sentirá será a raiva.

Há muitas emoções pelas quais uma pessoa passa quando descobre que foi traída. Estes sentimentos vão da raiva à depressão, mágoa e até mesmo desejo de vingança. Provavelmente, uma das emoções mais importantes que você sentirá será a raiva.

Estar bravo neste momento é humano, necessário e lhe ajudará a seguir em frente.

5.3. Permita-se viver esse momento

Você sabia que a dor e o trauma da traição podem ser comparados àqueles de pessoas que viveram situações de catástrofe, como terremotos, assaltos e acidentes? Os psicólogos costumam orientar os pais de crianças que passaram por experiências traumáticas para deixá-las agir da maneira como podem para lidar com o trauma que estão enfrentando.

Sair com os amigos e conversar – se você se sentir confortável para isso -, pode ser ótimo para seguir em frente, virar a chave e conseguir acordar no dia seguinte renovado e pronto para a pôr a vida em ordem.

Dormir muito e não querer sair da cama, pode ser a maneira que seu corpo e mente usam para se recuperar. Dormir sem parar ao ponto de deixar de fazer a higiene pessoal ou ainda perder dias de trabalho pode ser sintoma de depressão e precisa de intervenção terapêutica.

Seja qual a for a sua experiência, é preciso vivê-la. Seja como for, sempre aja de maneira segura e responsável.

5.4. Planeje como lidar com a traição

Valor Consulta Psicóloga Suzane






Não quero informar nome ou e-mail





Depois de ter lidado com suas emoções, está na hora de ir atrás de coisas positivas para avançar em sua vida. E isso pode ser a parte mais difícil em lidar com a traição, pois significa fazer escolhas que irão impactar seu futuro. É nesse momento, por exemplo, em que você lida com a pessoa que o traiu. Para se sair bem, tenha um plano de ação. Responda as seguintes perguntas:

  • Como você vai enfrentar seu par?
  • Que controle de danos precisa ser feito?
  • Como isso afetou seu relacionamento com essa pessoa e com as pessoas que te rodeiam?
  • Quão caro foi essa traição? O quão isso te afetou verdadeiramente?
  • Você tem um sistema de suporte forte (amigos, família etc.)?
  • Qual ajuda você precisará para se recuperar? Amigos? Psicólogo?
  • Se resolver continuar a relação, o que deverá mudar daqui para frente? Como vocês planejam lidar com isso? Grupo de apoio? Terapia de casal?

5.5. Obtenha ajuda

Não subestime o poder de um bom sistema de suporte. Pode ser um amigo ou até mesmo toda a sua família. Você poderá precisar de apoio emocional.

5.6. Confronte a pessoa

Mesmo que falhe no confronto, pelo menos você tentou. A pessoa que te traiu pode estar desde verdadeiramente arrependida até mesmo agressiva e te culpando pelo que aconteceu.

6. Reflexos da traição no ambiente

Compreender que buscar a própria cura emocional pode ser um caminho difícil, mas é muito necessário. Isso porque um caso de traição ultrapassa apenas o sentimento pessoal. Ela pode afetar as relações de trabalho, gerar separação que terá impactos na vida dos filhos, acarretar problemas financeiros etc. O ambiente social em que se está inserido deve ser cuidadosamente observado.

A ajuda terapêutica indicará os limites de si mesmo, bem como, as possibilidades de novas mudanças no estilo de vida. A não aceitação do problema poderá levar a uma gradativa escala de emoção autodestrutiva. Essas emoções contidas podem, ainda, ocasionar somatizações, ou seja, gerarem problemas de ordem fisiológica (câncer, gastrite, infecções etc.).

Seria possível perdoar uma traição

7. Analisando seu passado para prosseguir no futuro

Mesmo que a pessoa não tenha cometido a traição, é importante reconhecer que em algum momento, sua relação poderia traçar outro caminho. Compartilhar esta análise com o terapeuta avançará no processo de entendimento de si mesmo e como lidar com as pessoas.

Mas é importante que fique claro que isso não se trata de encontrar justificativas para os atos de infidelidade. É importante entender os motivos da dor, fortalecer o autoconhecimento, buscar superação de traumas individuais e retomar o controle da vida.

A traição pode acarretar em traumas e grande prejuízo nos campos emocionais, profissionais e físicos. Ela impacta tanto no indivíduo como no contexto social. É importante buscar meios de superar esse problema, a fim de que se possa seguir em frente. A terapia é uma grande aliada na retomada da vida.

Você pode não conseguir, de maneira nenhuma, perdoar a traição e isso significa ver a pessoa seguir em frente. E pode ser muito doloroso fazer isso. É praticamente enfrentar seu medo e seu trauma novamente. Quando alguém te trai, umas das sensações mais pungentes é a perda. E deixar partir é sentir isso novamente.

Por exemplo, se você foi assaltado, ao passar novamente pela rua é possível que sinta medo e até mesmo sintomas de fobia. Mas pode ser feito. É preciso muita calma, preparação, respiração e confiança em si mesmo.

Mas lembre-se, caso sinta-se inseguro, busque ajuda de um psicólogo. Ele te dará todo o suporte para essa situação e fará você tomar as decisões e ações que são realmente acertadas. Perdoar ou se afastar? Confrontar ou se abster? Essas e outras dúvidas devem ser respondidas com toda honestidade, pois você deve fazer aquilo que verdadeiramente lhe faz feliz. E também há muito contexto e particularidades em cada relacionamento, e a terapia irá ajudá-lo nisso e em demais questões.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Tédio no casamento

    Evitar Tédio no Casamento
    Muitos casais passam por períodos de tédio no casamento porém não sabem como lidar com isso. Clínica de Psicologia em São Paulo (11) 4861-2233
  • 5 dicas para perder o medo de se relacionar

    Medo de se relacionar e psicologia
    Viver relacionamentos felizes e enfrentar o medo de se relacionar não é tarefa facil para algumas pessoas. Consultório da psicóloga em São Paulo
  • Apego demais destrói relacionamentos

    Apego demais destrói relacionamentos
    Lidar com pessoas que demostram apego demais e comprometem a relação a dois pode ser uma tarefá árdua. Consultório do psicólogo próximo ao Shopping Morumbi

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autora
Thaiana F. Brotto

CRP 106524/06

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.