Newsletter Gratuita
Assine Aqui

O que fazer se eu não tenho uma paixão?

O que fazer se eu não tenho uma paixão?

Uma paixão, neste contexto, é um passatempo, projeto, atividade ou profissão que você ama. É a motivação para fazê-lo levantar da cama todos os dias. Há pessoas que não precisam pensar para responder quais são as suas paixões. Amam o que fazem e não trocariam o seu modo de vida por nada.

Já outras não conseguem definir uma paixão. Embora tenham interesses, eles não são capazes de despertar sentimentos de euforia e de autorrealização. Além disso, seus sonhos não parecem ser tão grandes quanto os dos outros.

Mas será que isso é ruim?

Segundo psicólogos, as pessoas tendem a focar demasiadamente nas pressões externas, por isso, ficam ansiosas e deprimidas quando não conseguem encontrar um propósito. Esse processo deve ser feito conforme os anseios de cada indivíduo, não para satisfazer terceiros ou tentar se igualar a eles.

Encontrar a sua paixão não é uma competição

A pressão para decidir o que você quer fazer pelo resto da vida pode ser extenuante para a saúde mental.

Adolescentes são bombardeados de possibilidades no fim do ensino médio. Alguns anos depois, já adultos, percebem que na verdade gostariam de ter feito outra graduação e mudam de carreira ou se conformam com a realidade, uma decisão pouco saudável. 

Quem está nesse caminho incerto se sente mal ao observar quem já está consolidado e apaixonado pelo o que faz. O indivíduo indeciso questiona a si mesmo “E se eu não tiver uma paixão? Como será a vida minha?”, agravando o seu sofrimento.

Há também aqueles que levam anos para iniciar uma graduação por não terem conhecimento de seus talentos. Neste meio tempo, se dedicam a outras atividades que, às vezes, revelam uma aptidão pouco explorada.

A verdade é que não existe uma receita universal para descobrir o propósito de vida que desperta a sua paixão.

Algumas pessoas parecem já ter nascido apaixonadas por uma determinada atividade ou profissão, exibindo interesse desde crianças. Já outras levam anos para encontrar o que gostam de fazer.

Essa “demora” pode ser consequência de uma diversidade de situações: falta de autoconhecimento, ausência de apoio dos familiares, eventos traumáticos, falta de oportunidade para estudar ou trabalhar com o que leva jeito, sensação de vazio, indecisão entre interesses diversos e apatia.

Embora exista muita pressão para definir um caminho a ser seguido, não é necessário saber qual é a sua paixão tão prontamente.

É preciso ter uma paixão específica?

Valor Consulta Psicóloga Veluma






Não quero informar nome ou e-mail





A ausência de uma paixão pode elevar a ansiedade e o estresse, especialmente mediante cobranças externas. As pressões da sociedade costumam exigir decisões concisas e certeiras para que não haja possibilidade de erro. Caso contrário, você pode acabar se tornando um fracassado!

Só que você não precisa ter uma única paixão. Antes de se desesperar ou dar início a uma busca incessante por ela, compreenda que você é uma pessoa complexa cujos interesses e sonhos são múltiplos.

Eles também oscilam com o tempo. Você pode estar fascinado por uma determinada carreira hoje e não ver sentido nela duas semanas depois. Isso acontece porque estamos sempre adquirindo conhecimento sobre o mundo. Assim, desenvolvemos novas habilidades e modificamos o nosso modo de pensar.

Como, então, definir uma única paixão?

Você pode ter quantos propósitos desejar e seguir diversos caminhos profissionais contanto que tome decisões visando o seu bem-estar.

É normal fazer uma escolha, errar e recomeçar. Mudar de carreira, de cidade ou de estilo de vida não é nada simples e pode acarretar em algumas perdas, mas esses processos não são impossíveis.

Cada pessoa precisa compreender que a sua história é única. Ela não precisa seguir um padrão ou se assemelhar a de familiares, amigos e indivíduos admiráveis.

Se existe o desejo em você de tentar um caminho totalmente diferente do esperado ou do trilhado por pessoas próximas, o reconheça. Se você não tentar, pode acabar se arrependendo com amargura no futuro.

Dicas para suavizar esse processo

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Encontrar o seu verdadeiro propósito e descobrir a melhor maneira de utilizar as suas habilidades não precisa ser estressante. Deixe de ouvir aquela voz desagradável que ressoa “você não é bom em nada” somente para colocá-lo para baixo. 

Quando a busca pela paixão é feita com leveza, ela é mais bem aproveitada! Em seguida, veja algumas dicas para direcioná-lo em sua busca. Lembre-se que você não precisa seguir regras à risca se elas não satisfizerem as suas necessidades.

1.     Se conheça

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

O autoconhecimento é o primeiro passo para encontrar a sua paixão. Se você desconhece os seus traços de personalidade, sonhos e objetivos, como conseguirá tomar uma decisão vantajosa para si mesmo? Você precisa saber quem você é para saber o que lhe convém e o que é desnecessário.

Ao longo da nossa vida, nos deparamos com várias pequenas dicas sobre a nossa paixão ou profissão ideal.

As nossas aptidões naturais e qualidades são exemplos. Uma pessoa com talento para trabalhos manuais pode transformá-lo em uma profissão ou, pelo menos, encontrar algo relacionado a esta área capaz de despertar a sua motivação diariamente.

Faça uma lista com seus interesses, habilidades e atributos positivos. Inclua também os elogios já recebidos sobre sua personalidade e trabalhos executados. Ao fazer esse exercício com frequência, você ganhará uma nova percepção sobre si mesmo.

2.     Experimente o que tiver vontade

Se você não tem uma ideia sequer do que pode ser a sua paixão, faça experimentos para descobrir. Um curso, uma viagem, uma experiência de voluntariado, um trabalho temporário e uma participação em um evento podem expandir os seus horizontes.

Essa dica é igualmente ideal para quem anseia por algo desconhecido, o qual não é capaz de encontrar no meio onde vive.

Não raro indivíduos crescem acreditando não terem semelhanças com seus familiares e amigos devido aos seus gostos pessoais. A falta de pessoas afins os desencoraja a preencher o vazio dentro deles. O que pode estar faltando neste caso é o encontro com outras realidades e experiências.

3.     Compreenda o que “paixão” significa para você

Você já parou para pensar o que paixão significa para você?

A ideia daquela paixão avassaladora que motiva a ser multitarefa e nunca procrastinar costuma circular na mente das pessoas. Se o seu propósito não for deslumbrante, nem precisa correr atrás dele!

Algumas pessoas não sentem essa euforia incontrolável. Paixão, para elas, é aquela sensação boa que fica no peito ao fazerem algo que gostam. Do mesmo modo, existem indivíduos que não sentem nada além da satisfação de terem feito um bom trabalho ou de viverem conforme as suas próprias convicções.

Se você não sente uma vontade irrefreável de fazer alguma coisa, não significa que não possui paixão ou ambição por nada. Cada um possui uma conexão única com suas emoções e a sua forma de senti-las pode ser mais suave. Isso não significa que elas não estejam dentro de você.

4.     Não espere resultados grandiosos

Ter uma paixão não significa que você precisa obter algo em retorno. Normalmente, esse termo é atribuído à profissão porque as paixões costumam motivar as pessoas a seguirem determinadas trajetórias profissionais.

Entretanto, a paixão também pode estar ligada a um passatempo, uma atividade ou um projeto pessoal cujo objetivo não é obter lucro.

Não é necessário se pressionar para conseguir um resultado que irá mudar a sua vida, seja financeiramente ou pessoalmente. Aproveite a sensação de autorrealização e de prazer proporcionada pelo objeto de sua paixão.

Se ele se tornar um negócio rentável ou trouxer reconhecimento de terceiros no futuro, excelente! Mas não mantenha o foco somente nesta possibilidade. Essa mentalidade limitada pode acabar com o seu aproveitamento.

5.     Não se limite por conta de circunstâncias

Imagine o seguinte cenário: uma pessoa apaixonada por animais que não possui os recursos necessários nem o tempo suficiente para resgatar ou cuidar deles.

Ela se entristece ao observar animais de rua e ter ciência de casos de maus-tratos. Como não pode ajudar do jeito que gostaria, sente-se inútil. Todavia, essa pessoa não precisa seguir os modelos tradicionais para oferecer ajuda aos animais.

Em vez de fazer resgates, pode alimentar a sua paixão através de doações de suprimentos às instituições de proteção aos animais. Se voluntariar durante algumas horas nos finais de semana e participar de eventos breves, como feiras de adoção, também são possibilidades.

Existem várias formas de entrar em contato com a sua paixão, mesmo que, no momento, não seja do jeito idealizado em sua cabeça. Encontre meios de trazer os seus interesses para a sua vida, mesmo que somente por alguns minutos.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana Brotto

CRP 106524/06. CEO do consultório Psicologo Com.Br. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *