Newsletter Gratuita
Assine Aqui

7 dicas para fazer escolhas e deixar de ser indeciso!

7 dicas para fazer escolhas e deixar de ser indeciso!

Você é muito indeciso? Já passou longos minutos decidindo entre duas ou mais opções, mesmo que a decisão não fosse tão complicada? Você pode ter até desistido de tomar uma decisão porque os prós e contras se demonstraram muito complexos. As pessoas provavelmente reclamam da sua incapacidade de decidir qualquer coisa com agilidade.

A indecisão é um sinal de falta de confiança em si mesmo.

Você pode ter desenvolvido essa insegurança após um ocorrido traumático ou ter trazido o hábito de buscar validação alheia antes de tomar uma decisão do berço. Seja como for, é preciso trabalhar essas questões adormecidas para se livrar do estresse ocasionado pela indecisão crônica. 

Comportamentos da pessoa indecisa

Ser indeciso ao extremo causa frustração e sentimento de impotência.

A suspeita de que você não tem capacidade para cuidar da própria vida é reforçada a cada demora para tomar uma decisão. Até as pequenas coisas, como escolher entre objetos em uma loja ou uma refeição em um aplicativo de delivery, exigem muito tempo e esforço.  

Fazer comparações com pessoas decididas também pode se tornar uma constante. Mesmo que seja desagradável, você não consegue parar de pensar porque é tão fácil para alguns e difícil para você.

Além disso, a ansiedade surge a cada nova necessidade de fazer uma escolha. Mesmo após ter escolhido uma opção, você sente necessidade de rever as alternativas e mudar de ideia. E se o que você não escolheu for melhor? E se existir outra forma de fazer as coisas e você optou pela errada?

Esses são comportamentos típicos das pessoas indecisas e que podem diminuir consideravelmente o seu aproveitamento da vida.

Nem todas as decisões requerem uma divagação aprofundada. Na verdade, a maioria das escolhas é simples e pontual, necessárias somente para nos ajudar a progredir de uma situação para outra.

Para ajudá-lo a determinar quão indeciso você é, confira mais alguns comportamentos de pessoas que não conseguem se decidir:

Psicólogos

Conheça os psicólogos e psicólogas do consultório. Veja o perfil detalhado de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS
  • Pedir a opinião de pessoas queridas ou de conhecidos antes de tomar uma decisão;
  • Refletir longamente sobre os prós e contras de uma situação, mesmo que não apresentem grandes consequências;
  • Passar o dia remoendo a dúvida sobre ter tomado a decisão correta ou não;
  • Ficar ansioso a cada nova decisão ou enquanto espera as consequências das mesmas;
  • Não conseguir se decidir quando recebe muitas opções;
  • Ter medo de desagradar os outros com suas escolhas;
  • Sentir-se incomodado quando é obrigado a fazer uma escolha, permitindo que outra pessoa faça;
  • Falar “pra mim tanto faz” ou “pra mim pode ser” com muita frequência;
  • Imaginar o cenário que se desenrolaria se você tivesse tomado outra decisão; e
  • Sentir-se desanimado e frustrado consigo mesmo após demorar para se decidir.

A psicologia por trás da indecisão

Você já se perguntou por que é tão indeciso?

A dificuldade para tomar decisões vai além de não saber o que fazer no momento em que uma escolha é requisitada. Pessoas indecisas normalmente não conseguem fazê-lo porque não acreditam em si mesmas.

Valor Consulta Psicóloga Veluma






Não quero informar nome ou e-mail





Pense bem. Você já perguntou para algum parente ou amigo o que achavam sobre determinada decisão que gostaria de tomar? É claro que buscar uma segunda opinião pode ajudá-lo em algumas situações, mas não em todas.

Permitir que os outros decidam tudo por você enfraquece a sua própria capacidade de fazer escolhas, além de aumentar as suas chances de encontrar a infelicidade no futuro. Apesar de nossos amigos e familiares desejarem o melhor para nós, eles não sabem exatamente o que queremos. 

Eles podem aconselhá-lo a seguir o caminho que eles acreditam ser para o seu bem. A intenção não é má, mas pode trazer problemas, frustrações e sofrimento por não estar de acordo com os seus desejos.

Outra razão para a indecisão crônica é a fuga. Você pode estar querendo fugir de uma responsabilidade que sente ser grande demais. Esta é uma forma de responsabilizar outras pessoas por possíveis imprevistos.

Quando você permite que outras pessoas tomem decisões por você, no entanto, passa um pouco do controle sobre sua vida para elas. Esse hábito alimenta a indecisão a ponto de ela dominar a sua vida.

Como ser menos indeciso?

As sete técnicas abaixo vão ajudá-lo a elevar a sua autoconfiança. Não se preocupe se elas não funcionarem logo de primeira. Para quebrar um padrão comportamental, é necessário ser paciente e fazer repetições até o cérebro aprender o novo comportamento.

Se você não confrontar a sua dificuldade para tomar decisões em algum momento, ela irá limitar as suas oportunidades e vivências. Portanto, seja forte para não cair na tentação de transferir a responsabilidade de suas decisões para outras pessoas.

1.     Aprenda a delegar importância

É preciso encontrar um equilíbrio entre pensar o suficiente e pensar demais. Decisões complexas que modificarão a sua vida, como mudar de cidade, de país, de instituição de ensino ou de emprego, obviamente pedem por mais reflexão. Decisões pequenas não. Aprenda a dedicar o tempo necessário para cada decisão de acordo com a sua urgência e impacto em sua vida.

2.     Confie em seus instintos

As pessoas têm o hábito de ignorar os seus próprios instintos. Se uma decisão veio naturalmente a você, é provável que seja a escolha correspondente as suas necessidades. Confie em seus instintos e não tente mudar o que parece certo por conta do medo.

Caso você se depare com consequências desagradáveis, elas valerão como experiência para tomadas de decisão futuras.

3.     Pergunte-se quem você está tentando agradar

Se você tem o hábito de agradar as pessoas acima de tudo, as suas decisões provavelmente seguem um padrão. Você provavelmente considera como os outros vão se sentir se você tomar X ou Y decisão.

É preciso compreender que, da mesma forma que você, as outras pessoas também precisam aprender a controlar comportamentos e emoções. Se elas não gostarem das suas escolhas, é de responsabilidade delas aprender a lidar com esse sentimento. Viver querendo agradar os demais atrapalha tanto o seu crescimento pessoal quanto o dos outros.

4.     Visualize cenários positivos

Visualizar o que cada opção pode trazer de bom para a sua vida combate o medo e os pensamentos negativos. Em vez de passar horas imaginando desencadeamentos terríveis para cada escolha, imagine cenários alegres e satisfatórios! Afinal, do que adiantar sofrer por antecedência com pensamentos pessimistas? Esse exercício vai ajudá-lo a se acalmar e a manter o otimismo.

5.     Cuide de suas emoções

A ansiedade crônica impede muitas pessoas indecisas de aprovarem as suas próprias escolhas. Os pensamentos ansiosos as obrigam a duvidar de si mesmas, causando insegurança. Logo, surge o pânico, a preocupação e a sensação de incompetência. 

A psicoterapia ajuda a contornar a indecisão aparentemente incurável e, ainda, a cuidar do estado emocional dos pacientes. Fazer terapia pode ajudá-lo a compreender a raiz da sua ansiedade e a combatê-la de maneira saudável. Dessa forma, o processo de tomada de decisão se tornará menos assustador.

6.     Aja com cautela, mas aja!

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Depois de pensar e considerar todas as suas possibilidades, parta para a ação. Aja com cautela para não se ferir emocionalmente ou seguir um caminho inapropriado, como pode acontecer quando você ouve mais os outros que a si mesmo.

Mas não seja cauteloso demais. Coloque os seus planos em ação com confiança em sua capacidade de saber o que é melhor para você. Caso seja necessário correr riscos, faça isso! Às vezes precisamos arriscar para viver com mais qualidade.

Se você falhar ou se decepcionar, pode pedir ajuda (de alguém de confiança ou de um psicólogo), recomeçar ou reconsiderar a sua escolha. É importante entender que falhas e imprevistos não caracterizam o fim dos sonhos! 

7.     Faça a melhor escolha para você

Pessoas decididas tomam decisões conforme o seu bem-estar físico e psicológico, considerando as alternativas com os melhores benefícios.

Essas decisões podem envolver trocar a diversão pela disciplina ou o lanche pela salada. Escolhas como essas não costumam trazer satisfação logo de início, mas ocasionalmente são necessárias. Optar pelo melhor para você também implica em tomar decisões pouco agradáveis.

Por exemplo, uma pessoa que vive para agradar os outros normalmente possui dificuldade para sair de um emprego estressante, apesar deste lhe fazer mal. Pedir demissão será desafiador para ela, mas essa decisão trará muitas recompensas para a sua saúde mental.

Então, comece a se perguntar “como isso pode me beneficiar?” antes de fazer as suas escolhas. Com a prática e a reflexão recorrentes, você conseguirá ser menos indeciso!

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana Brotto

CRP 106524/06. CEO do consultório Psicologo Com.Br. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

10 pensou em “7 dicas para fazer escolhas e deixar de ser indeciso!

  1. Sofro com indecisão, não consigo fazer escolhas,e qualquer escolha que faço sinto que fiz a escolha errada,não sei o que fazer

    • Olá,
      Essas indecisões geralmente acontecem quando você não tem claro para você mesma quais são as suas prioridades, as suas vontades e perspectivas. Por isso é fundamental trabalhar o seu autoconhecimento. É a base para que essas indecisões deem lugar para escolhas muito mais acertadas!
      Abraços,
      Psicóloga Thaiana

    • Tenho 18 e já sofro com indecisão, me encaixou em todos os aspectos. Não consigo ter a certeza de que uma outra escolha será a certa para mim e isso me causa dúvidas, ansiedade e frustrações. Então começo a pensar em outra maneira de fazer dar certo, aí fico dividida em qual devo seguir. Uma mistura de sentimentos e acabo pedindo a opniao de familiares e amigos. Isso me faz mal e preciso parar de ser indecisa e ansiosa.

      • Olá, Julia!
        Foque em trabalhar o seu autoconhecimento. É a melhor ferramenta para buscar as respostas que você precisa!
        Abraços,
        Psicóloga Thaiana

  2. Olá, boa tarda Thaiana!

    Estou confuso. Sinto que sou uma pessoa muito indecisa, com o que se refere ao meu caminho pessoal. Sinto insegurança a cada ato que faço, mesmo que não haja necessidade desta.
    Tenho apenas 22 anos, trabalho a pouco mais de 3, namoro a pouco mais de 5, e Moro com meus pais. Vendi meu carro ano passado, usei parte do dinheiro para dar entrada em um apartamento, que me será entregue no mes que vem, e comprei um carro mais básico, que me atende bem. Contudo, as vezes sinto que estou me precipitando na vida, mesmo sabendo que o caminho deve ser este. Desde o início do ano passado tomei paixão por um modelo x de carro, antigo dos anos 90, e agora estou vendo a troca do meu carro atual, anos 2000 que esta muito conservado etc por este que tenho gostado tanto, que esta em processo de restauração, nao como sucata, mas conservado também. Agora estou divido, não sei se mantenho o carro que tenho e deixo esse desejo para sei lá daqui quantos anos, ou se faço agora e corro o risco de me arrepender depois… Todos que tirei opnião (como de costume pela minha insegurança, que pra mim é um pesadelo) disseram que era melhor continuar como estou e não mexer com isso. Acredito que seja saudável fazer o meu desejo, mas a tal da insegurança me mata… Meu emprego é muito estável, trabalho perto enquanto Moro com meus pais e posso até ir de bicicleta, e de certa formo vejo que não tenho o que Temer se tudo der errado.. Mas a tal da insegurança vem me consumindo… Algum conselho para alguém que se sente tão impotente, mesmo que talvez não faça tanto sentido?

    Desde já agradeço, e desculpe pelo texto grande. .

    • Olá!
      Sempre visualize os prós e contras de quaisquer decisões que você for tomar e avalie as consequências.
      Mas, se essa insegurança tem atrapalhado a sua qualidade de vida, sugiro que pense na possibilidade de dar início a um processo terapêutico para entender melhor o que pode estar havendo e como você pode lidar com isso.
      Abraços,
      Psicóloga Thaiana

  3. Sou da mesma forma, me sobrecarrego com pensamentos excessivos, não consigo me dar com opções, sempre repenso a escolha que fiz, achando que escolhi errado, fico paralisada, e procrastino, isso me consome, me causa dor. Quero mudar se profissão e não consigo progredir.

    • Olá!

      Pense na possibilidade de iniciar um processo terapêutico para trabalhar estas questões. Eu tenho certeza que irá ajudá-la muito.

      Abraços,
      Psicóloga Thaiana

  4. Me identifiquei muito com esses comentários!

    A um ano atrás eu conheci um garoto que atualmente é meu namorado, na época meus pais não deixava eu namorar porém cada dia que se passava a gente se gostava mais e mais, a gente mora a 32 km de distância um do outro, e como meus pais não deixava a gente se falar e nem namorar então eu sempre procurei um jeito de falar com ele e nisso deu um ano. Quando começou esse ano meus pais amadureceram bem muito em questão de eu namorar e decidiram que deixar a gente separados e sem se falar não era a melhor opção então, eles deixaram a gente namorar, com o passar do tempo a gente começou a se ver bem mais do que antes, e certo dia quando ele veio aqui eu já não estava me sentindo tão confortável, achava que era por conta da minha fase menstrual e meus sentimentos estavam confusos, porém minha ansiedade só aumentou e foi aí que começaram os piores dias da minha vida, de primeira eu já pensei se eu realmente gostava dele, na hora só foi uma dúvida mínima que veio na minha cabeça mas depois quando acordei no outro dia aquilo já tinha tomado conta de mim, então fiquei uma semana chorando, sem saber oque fazer, até que minha TPM passou e eu já me sentia melhor, porém no decorrer da semana que eu estava mal, eu pedia opiniões para muitos familiares e claro eles diziam que era melhor terminar se eu não gostasse mais dele, porém eu sabia que eu gostava, só não sentia mais o tanto que eu sentia antes da gente começar a namorar, nisso minha mãe disse muitas coisas na qual só aumentou minha ansiedade e minha dúvida, então quando minha TPM foi embora me senti bem melhor. Chegou a semana de eu ver ele, e minha ansiedade só aumentava pq eu ficava imaginando um cenário se quando eu visse ele depois de toda aquela minha ansiedade e choro eu ainda ia sentir o mesmo e a mesma atração, e foi aí que minha ansiedade piorou novamente e era o dia inteiro eu pensando nisso, eu vi ele, e bom foi algo totalmente ao contrário, foi algo bom, e eu via que a presença dele mudou tudo isso, hj me encontro novamente mal, pois toda aquela minha dúvida não foi embora e eu me sinto bloqueada por isso, tenho medo de estar com ele por carência, mas tenho medo de terminar com ele e não ser oq eu queria! Já não aguento mais chorar tanto pelos mesmos motivos o dia inteiro, e confesso que já estou tendo pensamentos negativos! Só me sinto confusa a tudo isso e não sei oque fazer só sinto vontade de enfiar num buraco e sumir pra sempre

    • Olá, Emilly!
      É fundamental você trabalhar o seu autoconhecimento para encontrar as respostas que procura. Um psicólogo pode ajudá-la fortemente neste caso!
      Abraços,
      Psicóloga Thaiana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *