Como controlar a impulsividade em 8 passos

A impulsividade é uma característica comportamental de pessoas que agem antes de pensar e não consideram as consequências de seus atos. Até certo ponto, ser precipitado não apresenta riscos para a saúde mental ou qualidade de vida. Todo mundo age sem refletir às vezes, principalmente em momentos de grande ansiedade.

Segundo psicólogos, aprender a controlar a impulsividade combate o excesso de desinibição, o grande responsável pelas consequências indesejáveis. O autocontrole deve estar presente no processo de tomada de decisão e nas ações de todas as pessoas.

Continue lendo

Questionários e testes psicológicos ajudam os psicólogos a entenderem melhor sobre as emoções dos pacientes e o grau de intensidade de cada uma delas, assim como, auxiliam no acompanhamento da evolução desses pacientes dentro da terapia.

Os testes auxiliam principalmente para pessoas que possuem dificuldade em expressar a maneira como se sentem ou mesmo para aqueles que não compreendem as próprias emoções e sentimentos.

Mas, você sabia que existe um teste que pode ser feito por qualquer pessoa, aqui mesmo, na Internet, e que ajuda você a entender e definir emoções como depressão, ansiedade e estresse?

Faça o teste agora!

Você já ouviu falar no teste DASS-21?

Esse teste foi desenvolvido originalmente na língua inglesa por estudantes de Psicologia da Universidade de New South Wales, na Austrália. Sua sigla significa Depression, Anxiety e Stress, e o número 21 corresponde à quantidade de perguntas do questionário. Esse é um teste de domínio público e a sua versão em inglês pode ser acessada através deste site.

O DASS-21 tem sido muito utilizado para amostras clínicas e não-clínicas e mostrou excelentes resultados. Por isso, ele também é bastante utilizado por psicólogos de vários países. No Brasil, por exemplo, ele foi aplicado em adultos, idosos e adolescentes para investigar a confiabilidade de seus resultados, além de estudantes universitários, que também responderam ao teste, por se tratarem de um grupo suscetível à problemas emocionais como depressão, ansiedade e estresse. Você pode conferir esse estudo clicando aqui.

O seu objetivo é mensurar e definir os estados e intensidades emocionais de indivíduos com sintomas de depressão, ansiedade e estresse. O participante é orientado a responder as perguntas com clareza sobre os seus sentimentos nos últimos sete dias (anteriores ao teste).

Esse é um teste elaborado em escalas, e cada escala possui subescalas para que as respostas sejam específicas e contribuam para um resultado confiável.

O teste substitui um diagnóstico clínico?

O teste tem o objetivo de ajudar psicólogos e pacientes (e quaisquer indivíduos com intensão de compreender suas emoções) a mensurar e definir os estados emocionais negativos da depressão, da ansiedade e do estresse. Os seus resultados também auxiliam no planejamento de estratégias de prevenção ou a necessidade de intervenção de um profissional.

Por essa razão, ele não pode ser considerado um diagnóstico. Ele é apenas um indicativo sobre a intensidade dessas emoções e se o acompanhamento terapêutico é necessário. Em caso positivo, o profissional fará uma avaliação psicológica mais aprofundada para dar início à psicoterapia.

Instruções

Leia cuidadosamente cada uma das perguntas e responda considerando o que você sentiu apenas nos últimos sete dias (na última semana).

As respostas sempre serão uma das seguintes opções:

  1. Não se aplicou de maneira alguma
  2. Aplicou-se em algum grau ou por pouco tempo
  3. Aplicou-se em um grau considerável ou por uma boa parte de tempo
  4. Aplicou-se em grau elevado ou na maioria do tempo

O teste

01. Achei difícil me acalmar
02. Senti minha boca seca
03. Não consegui vivenciar nenhum sentimento positivo
04. Senti falta de ar em alguns momentos, mesmo sem ter feito nenhum esforço físico
05. Achei difícil ter iniciativa para fazer as coisas
06. Tive a tendência de reagir de forma exagerada às situações
07. Senti tremores (ex. nas mãos)
08. Senti que estava sempre nervoso (a)
09. Preocupei-me com situações em que eu pudesse entrar em pânico e parecesse ridículo (a)
10. Senti que não tinha nada a esperar do futuro
11. Senti-me agitado (a)
12. Achei difícil relaxar
13. Senti-me depressivo (a) e sem ânimo
14. Fui intolerante com as coisas que me impediam de continuar o que eu estava fazendo
15. Senti que ia entrar em pânico
16. Não consegui me entusiasmar com nada
17. Senti que não tinha valor como pessoa
18. Senti que estava um pouco emotivo(a)/sensível demais
19. Sabia que meu coração estava alterado mesmo não tendo feito nenhum esforço físico (ex. aumento da frequência cardíaca, disritmia cardíaca)
20. Senti medo sem motivo
21. Senti que a vida não tinha sentido

Temp result depressao:

Temp result ansiedade:

Temp result estresse:

Temp Qts Respondidas:

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Ansiedade

    Ansiedade
    Psicólogos que tratam ansiedade em São Paulo. Conheça os psicólogos especialistas em ansiedade, leia dezenas de textos e marque sua consulta pelo site
  • Como gerenciar o nível de estresse alto

    Estresse Alto, consultório do psicólogo em São Paulo
    O estresse alto é um dos maiores problemas da humanidade, como fazemos para gerenciá-lo, segundo psicólogos. Localização em São Paulo Shopping Market Place
  • Depressão

    Depressão Psicólogos
    Psicólogos que tratam depressão em São Paulo. Conheça os psicólogos especialistas em depressão, leia dezenas de textos e marque sua consulta pelo site
Você está estressado? 13 estratégias para redução do estresse

O estresse crônico pode desencadear vários problemas, ser catalisador para doenças e afetar o bem-estar. Em nosso artigo trazemos algumas estratégias de redução do estresse.

Experimentar o estresse é parte da vida. É como o corpo e o cérebro reagem a qualquer mudança que exija um ajuste ou resposta rápida. O corpo reage a essas mudanças com respostas emocionais, físicas e mentais.

O estresse vem de fatores externos e internos. Um estressor pode ser um episódio único ou de curto prazo, ou ocorrer continuamente durante um  período. Todos lidam com o estresse de maneira diferente, alguns com mais eficácia e rapidez do que outros.

Continue lendo
8 maneiras de como ajudar um amigo estressado

Confira essas dicas e soluções para ajudar um amigo estressado sem se estressar também.

Ajudar um amigo estressado por se tornar uma tarefa exaustiva, se você não estiver equilibrado e preparado para reações agressivas. Mas entender porque seu amigo está estressado e ajudar ele a desabafar, é terapêutico tanto para quem ajuda, quanto para quem é ajudado.

Certamente isso o tornará mais preparado para lidar com diversas situações de estresse psicológico, se e quando passar por um. 

Continue lendo
Dicas para vencer o estresse das férias

Férias de verão, com família, em companhia agradável, ou com amigos, sempre são ótimos momentos e muito desejados. Todo ser humano precisa de descanso e para quem trabalha não é exceção. Mas, para algumas pessoas ela pode se tornar um verdadeiro pesadelo. Família em conflito, muitas coisas para resolver, problemas diversos… Veja algumas dicas dos psicólogos para vencer o estresse das férias.

Continue lendo

Vício em compras: entenda como funciona

Vício em compras: entenda como funciona

Considerada uma doença, o vício em compras é um distúrbio que precisa ser tratado com ajuda de psicólogo para que não traga problemas ainda maiores à sua vida.

A cada dia, novos produtos são lançados no mercado e os profissionais de marketing e publicidade trabalham incansavelmente para que os itens cheguem e despertem na mente humana o desejo pela aquisição. Porém, em algumas pessoas isso não é necessário, pois farão a compra por mero impulso. O nome disso é vício em compras — ou oniomania — e é uma grave doença!.

Continue lendo